NOTÍCIAS

GREVE DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO
Segunda-Feira, 22 de Junho de 2015
Movimento inicia na próxima quinta-feira, dia 25 de junho

Em assembléia-geral realizada na última sexta-feira, dia 19 de junho, pelo Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Rio Grande do Sul ? SINDJUS RS ? os servidores do Poder Judiciário gaúcho deliberaram pela greve a partir do dia 25 de junho.

O movimento foi deflagrado em razão das seguintes reivindicações: reposição salarial de 15%, redução da jornada, a construção de um Plano de Cargos e Salários negociado com a categoria, um calendário de reposição das perdas salariais e o auxílio alimentação no valor pago aos juízes, R$ 799,00. Também faz parte das pautas da greve o combate aos privilégios que a magistratura se autoconcede, como o auxílio-moradia e o auxílio-alimentação retroativo, pois a categoria entende que essas mordomias direcionam, para uma minoria, parte significativa do orçamento do Poder Judiciário, num contexto em que a direção do Tribunal de Justiça alega carência de recursos para valorizar a maioria.

Em reunião realizada na semana passada entre as entidades representativas dos servidores do Poder Judiciário e o presidente do Tribunal de Justiça, Desembargador José Aquino, foi afirmado, pelo desembargador, que o posicionamento da administração do Órgão será cortar o pagamento dos dias parados.

O direito à greve é garantido ao trabalhador, no entanto, o pagamento de dias parados não, o que pode OU NÃO ser revertido em negociação coletiva.

A questão está intrinsecamente ligada à remuneração dos servidores do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, pois a Administração Superior do órgão, ao longo dos anos, adota um posicionamento submisso ao Poder Judiciário em questões remuneratórias, só fazendo uso de sua autonomia financeira para referendar as decisões do Poder Judiciário.

A APROJUS, desde já, manifesta seu apoio ao SINDJUS e aos servidores do Poder Judiciário no movimento grevista. A entidade já participa da campanha salarial em conjunto lançada pelo SINDJUS e SIMPE, neste ano, buscando a recomposição no índice de 15%, redução da jornada de trabalho e planos de carreiras discutidos com as respectivas categorias.

A direção da entidade entende também que não há justificativa para pagamento do benefício de auxílio-alimentação com valores diferentes para chefias (membros do Poder Judiciário e Ministério Público) e servidores, classificando essa medida como elitista, retrógrada e abusiva.

                                                                                           

 



MAIS NOTÍCIAS
voltar
Fasp União Gaúcha